blank

Um dia você vai entender

Você tinha 3 anos e nós estávamos tomando banho de mar. Você pegou uma “uvinha do mar”, me entregou uma bolinha e disse:
 
– Mamãe, faz um desejo.
 
Eu prontamente te peguei no colo, me virei em direção à areia e respondi:
 
– Filha, o meu desejo é ter uma casa linda lá na frente. Depois da areia, vai vir um gramado e depois do gramado, vai vir a casa.
 
Você balançou a cabeça, sorriu e continuou a brincadeira.
 
À noite, ao conversar ao telefone com a sua avó, você contou para ela que nós teríamos uma casa na praia, com gramado e tudo.
 
Eu confesso que achei muito interessante você contar sobre a casa na praia para a sua avó. Eu até me emocionei um pouco. Você lembrou até de mencionar o gramado. Eu fiquei feliz de ter sido ouvida por você e comentei com o seu pai sobre as duas cenas. Engraçado, né, no mesmo dia, eu falei três vezes sobre a nossa futura casa.
 
No dia seguinte, voltamos à praia. Dessa vez, eu resolvi brincar com você. A maré estava baixa. Não havia ninguém além de nós naquele lugar. Eu peguei sua pazinha de brinquedo e comecei a desenhar a planta baixa da nossa casa na areia. Decidi desenhar, também, o primeiro andar. Escolhi a posição da escada, o lugar da nossa cozinha, da nossa mesa de jantar, do sofá. Na parte de cima, desenhei os quartos. Quando a casa estava pronta, eu te chamei. Você não entendeu nada e me falou:
 
– Mamãe, isso não é uma casa. Isso é a areia.
 
Eu peguei na sua mão e comecei a te conduzir pela casa: essa linha aqui é o gramado, agora, anda mais um pouco e você chega no terraço. Aqui tem essa porta. Você entrou na sala. Olha aqui a nossa mesa e lá na frente está a cozinha. Vamos subir?
 
Eu percebi que você entendeu e gostou da brincadeira. Eu continuei: quando você sobe, você pula para esse outro desenho, que é o desenho da parte de cima da casa.
 
Nesse momento, você me perguntou:
 
– Mamãe, onde é o meu quarto?
 
Eu pedi para você escolher e você escolheu um quarto com vista para o mar. Eu te posicionei dentro do seu quarto e falei:
 
– Olha que vista linda que você tem.
 
Você passou a subir e a descer, pular de um desenho para o outro e quando eu vi, o seu quarto tinha cama, lençol e travesseiro., Tudo construído com as algas da praia. Você também me pediu para fazer a piscina e eu prontamente fiz uma piscina, com água e tudo. Nós duas começamos a brincar no gramado da casa. Ele já tinha piscina, agora ganhou várias plantas, alguns bancos e uma mesinha. Você dormia no seu quarto, acordava, ia a praia e voltava. Em algum momento, você perguntou:
 
– Mamãe, onde é o banheiro?
 
Eu percebi que não tinha construído o banheiro ainda e, com a sua pá, desenhei o banheiro perto da mesa de estar. Você ponderou:
 
– Esse é o banheiro das visitas.
 
Você estava certa e eu desenhei o banheiro lá em cima, perto do seu quarto.
 
O sol se pôs e chegou a hora de ir embora. Pegamos nossas coisas e começamos a caminhar. Foi aí que você perguntou:
 
– Mamãe, eu só não entendi, ainda, como é que essa casa que a gente fez vai se transformar numa casa de tijolos.
 
Nos continuamos caminhando e respondi calmamente: um dia você vai entender.
Curtiu o texto? Compartilha ;)